Será que devo me preocupar com o metaverso?

Ricardo Jorge porRicardo Jorge

Será que devo me preocupar com o metaverso?

Neste artigo sobre Será que devo me preocupar com o metaverso?, será abordado um tema que tem ganho muita visibilidade nestes últimos meses.

É importante deixar claro que metaverso, ou do inglês metaverse, deve ser encarado como:

  • Parte definição
  • Parte aspiração
  • E parte exagero.

Então, vamos começar a entender, ou melhor, avaliar o que seja metaverso.

Pode ser que você talvez tenha lido que o metaverso substituirá a Internet.

Ou ainda que talvez todos devamos morar lá.

Pode ser também que o Facebook (ou Epic, ou Roblox, ou dezenas de empresas menores) estejam tentando assumir o controle.

Ou então que tenha algo a ver com NFTs?

Explicar o que seja metaverso é difícil devido a uma razão: ele necessariamente não existe.

Em parte, é um sonho para o futuro da Internet e em parte uma maneira elegante de encapsular algumas tendências atuais em infraestrutura online, incluindo o crescimento de mundos 3D em tempo real.

Mesmo assim, vamos para a parte divertida.

Imagine por um momento os seguintes cenários:

  • Será que você começará a verificar seu feed do Facebook no Fortnite com um par de óculos de realidade aumentada?
  • Ou que seus amigos irão convidá-lo para um café da manhã cibernético em vez do café da manhã normal?

É hora de se conectar e descobrir.

Como o termo metaverso surgiu?

Neal Stephenson cunhou o termo “metaverso” em seu romance de 1992, Snow Crash, onde se referia a um mundo virtual 3D habitado por avatares de pessoas reais.

Muitas outras mídias de ficção científica incluem sistemas do tipo metaverso (alguns deles anteriores a Snow Crash).

Mas o livro de Stephenson continua sendo um dos pontos de referência mais comuns para entusiastas do metaverso, junto com o romance Ready Player One de 2011 de Ernest Cline.

O metaverso de Snow Crash é conseqüência de uma visão satírica de Stephenson de um futuro onde a América é dominada por corporações.

Já o mundo virtual do Ready Player One é simbolicamente chamado de OASIS, e Cline retrata-o como uma fonte quase utópica de escapismo em um futuro horrível.

Se, por um lado, emular os mundos virtuais de Snow Crash ou Ready Player One é deliberadamente menos assustador do que nomear esta iniciativa de tecnologia “Skynet”.

Por outro, as histórias de ficção científica podem evocar uma imagem vívida do “metaverso” sem definir como ele deveria funcionar ou por que deveria existir.

Então o que realmente é o metaverso?

Não existe uma definição universalmente aceita de um “metaverso” real, exceto talvez que seja um sucessor mais sofisticado da internet.

Os proponentes do metaverso do Vale do Silício às vezes fazem referência a uma descrição do capitalista de risco Matthew Ball ( em seu artigo Metaverse Primer ) onde ele afirma:

“O Metaverso é uma rede expansiva de mundos 3D renderizados em tempo real e persistentes e simulações que suportam a continuidade de identidade, objetos, história, pagamentos e direitos e podem ser experimentados de forma síncrona por um número efetivamente ilimitado de usuários, cada um com sua sensação pessoal de presença.”

Por outro lado o Facebook, que atualmente é a empresa de tecnologia com a maior participação no metaverso, descreve-o de forma mais simples:

“O metaverso’ é um conjunto de espaços virtuais onde você pode criar e explorar com outras pessoas que não estão no mesmo espaço físico que você.”

Existem também outras definições mais amplas relacionadas ao metaverso, como a do designer de jogos Raph Koster, que faz uma distinção entre “mundos online”, “multiversos” e “metaversos”.

Para Koster, os mundos online são espaços digitais – desde ambientes ricos em 3D até aqueles baseados em texto – focados em um tema principal.

Multiversos são “vários mundos diferentes conectados em uma rede, que não têm um tema ou conjunto de regras compartilhado”, incluindo o OASIS do Ready Player One.

E um metaverso é “um multiverso que interopera mais com o mundo real”, incorporando coisas como sobreposições de realidade aumentada, provadores de roupa com Realidade Virtual para lojas reais e até mesmo aplicativos como o Google Maps

Será que algum dia todos nós viveremos no metaverso?

Atualmente, pessoas ligadas a indústria de tecnologia que falam sobre “o metaverso” geralmente estão entusiasmadas com as plataformas digitais que incluem algumas das seguintes coisas:

  • Conjuntos de recursos que se sobrepõem a serviços da web mais antigos ou atividades do mundo real
  • Computação gráfica 3D em tempo real e avatares personalizados
  • Uma variedade de interações sociais “pessoa a pessoa” com objetivos menos competitivos e jogos orientados para estratégia.
  • Suporte para usuários criando seus próprios itens e ambientes virtuais
  • Links com sistemas econômicos externos para que as pessoas possam lucrar com bens virtuais
  • Desenvolvimento e integração com dispositivos de realidade virtual e realidade aumentada

Nota: As distinções entre VR ( Realidade Virtual ) e AR ( Realidade Aumentada ) se resumem aos dispositivos que são utilizados e à própria experiência: AR usa uma configuração do mundo real, enquanto a VR é totalmente virtual.

VR requer um dispositivo normalmente instalado em sua cabeça, enquanto AR pode ser acessado com um smartphone.

A Realidade Aumentada aprimora o mundo virtual e real, enquanto a Realidade Virtual apenas aprimora a realidade ficcional.

Mas no contexto atual, “o metaverso” sem dúvida não é um conjunto fixo de atributos.

É um termo ambicioso para um mundo digital do futuro que parece mais tangivelmente conectado com nossas vidas e corpos reais.

O Fortinite ou Facebook Horizon são o metaverso, ou o metaverso é a soma de tudo isso?

Pessoas como Tim Sweeney (CEO da editora Fortnite Epic) e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, costumam dizer que estão apenas construindo uma parte de um metaverso interconectado maior, semelhante a uma rede social individual na internet atual.

“O metaverso não é um produto único que uma empresa pode construir sozinha. Assim como a internet, o metaverso existe, esteja o Facebook lá ou não ”, diz um comunicado recente do Facebook.

Mas, informalmente, “metaverso” também é usado para descrever uma única plataforma que atende aos critérios listados acima.

Second Life, um mundo virtual que não é um jogo tradicional, é frequentemente descrito como um metaverso.

Sweeney descreveu a experiência do usuário de Fortnite como um metaverso porque é um espaço 3D virtual que mistura elementos de jogo e não de jogo.

David Baszucki, CEO da Roblox, observa modestamente que “algumas pessoas se referem ao que estamos construindo como o Metaverso”.

Se você gosta da definição de “multiverso” de Koster, também existem vários multiversos autônomos.

O Minecraft da Microsoft tem menos atenção atualmente do que o Roblox, mas permite atividades semelhantes por meio de modificações de características do jogo.

O mesmo acontece com serviços para dispositivos móveis, como o The Sandbox, que também incorpora uma economia complexa baseada em criptomoedas.

Qual a relação do metaverso com NFTs?

Mais detalhes sobre a definição de NFT podem ser vistos neste outro artigo.

De uma maneira simples, NFTs são uma forma de registrar quem possui um bem virtual específico, criar e transferir bens virtuais é uma grande parte do metaverso, portanto, NFTs são uma arquitetura financeira potencialmente útil para o metaverso.

Ou em termos mais práticos: se você comprar uma camisa virtual na plataforma A do metaverso, os NFTs podem criar um recibo permanente e permitir que você resgate a mesma camisa nas plataformas B a Z do metaverso.

Muitos designers de NFT estão vendendo avatares colecionáveis ​​como CryptoPunks, Cool Cats e Bored Apes, às vezes por quantias astronômicas.

No momento, essas são principalmente arte 2D usada como fotos de perfil de mídia social.

Mas já estamos vendo algum cruzamento com serviços do estilo “metaverso”.

A empresa Polygonal Mind, por exemplo, está construindo um sistema chamado CryptoAvatars, que permite às pessoas comprarem avatares 3D como NFTs e usá-los em vários mundos virtuais.


E você ? Qual sua opinião sobre o metaverso?

Será que substituirá a Internet como a conhecemos, ou será apenas mais um serviço da própria Internet atual?

Deixe seus comentários aqui no Blog.


Artigo relacionado:

O que você precisa saber sobre NFT

Veja outros artigos do Blog.

Indústria 4.0 aplicada na pequena indústria

STEM e a importância para sua carreira


Este artigo é uma versão deste link.


Image by Gerd Altmann from Pixabay

Sobre o Autor

Ricardo Jorge

Ricardo Jorge administrator

Deixe uma resposta