IoT – como aplicar em sua casa?

porRicardo Jorge

IoT – como aplicar em sua casa?

A casa autônoma, integrada e conectada

Aplicar IoT em sua casa já é uma tarefa fácil e, em alguns casos, já está presente sem que seja notada.

Hoje contamos com vários dispositivos de automação e segurança que estão ao nosso redor, como :

  • Câmeras de segurança
  • Fechaduras biométricas, ou com RFID, ou apenas eletrônicas
  • Sensores de presença e movimento
  • Sensores de abertura para portas e janelas
  • Iluminação inteligente
  • Controle remoto para o ar condicionado

Estes são apenas alguns exemplos mais comuns e logo que começamos a nos envolver com IoT ( Internet das Coisas / Internet Of Things ), percebemos como esta tecnologia nos ajuda em inúmeros aspectos de nossas vidas, como : segurança, automação, bem estar e saúde.

Os benefícios não param nos itens mencionados, mas são um ponto de partida para esta nossa primeira avaliação.

Iniciando pelo tópico de automação, também conhecido por Smart Home, descreverei o que tenho percebido de possibilidades, já possíveis de serem utilizadas no mercado brasileiro.

Na minha percepção, a automação deve ser :

  • Autônoma
  • Integrada
  • Conectada

Vamos analisar cada um destes pontos.

Autônoma : ter processos realizados localmente e sem necessidade de acesso externo. Foco em segurança, latência e disponibilidade.

Integrada : os vários sensores e atuadores, independente de marcas, modelos e fabricantes, devem interagir para que seja possível “entender” o que ocorre nesta casa ( edificação ) inteligente.

Conectada : sempre que possível, dados podem ser obtidos e / ou enviados para meios externos, para que seja possível ampliar a integração.

Exemplo : informações sobre eventos de casas próximas ( ou outras células dentro do condomínio vertical ou horizontal ), condições climáticas adversas e severas, sistemas de apoio a vida e socorro, monitoração de pessoas idosas / enfermas.

Toda automação tem início com a monitoração e esta automação é feita, através de atuadores.

Sendo assim, temos continuamente a dupla sensor / atuador.

Exemplos de sensores : sensor de presença e movimento, sensores de abertura, temperatura e umidade, pressão atmosférica, velocidade e direção do vento, gases e fumaça, sensor de chama, sensores de água no piso, consumo de energia, sensores biométricos ( digitais e face ), etc.

Exemplos de atuadores : fechaduras elétricas, portas e portões ( garagem ), acionadores de cortinas, sistemas de irrigação / bombeamento / ventilação / ar condicionado ( HVAC ), acionadores de lâmpadas e tomadas, alertas visuais ( luzes ) e sonoros, alimentadores para “pets”, circulação de água e oxigenação para aquários, controle de umidade para plantas, etc.

Embora muitos exemplos sejam residenciais, todos eles podem ser aplicados em escala maior, nas indústrias e no agronegócio.

Com a coleta dos dados destes vários sensores e dos estados dos atuadores, é possível conhecer os padrões daquela casa inteligente e determinar quando variações podem ser um sinal de falha, alerta e / ou insegurança.

Para demonstrar como IoT está bem mais próximo do que imaginamos, darei um exemplo prático.

Várias residências possuem sistemas de alarme instalados, podemos partir destes sensores já presentes, indo muito além do mero sistema de alarme residencial, que tem seu maior foco em intrusão.

Uma janela aberta pode ter vários desdobramentos como : alguém ter acesso ao local, mas também pode significar que seu animal de estimação possa sair por ela, ou que o animal de estimação de algum vizinho possa entrar !

Por esta mesma janela aberta, o vento e a chuva poderão causar danos aos objetos internos deste local, tudo isto sem uma “intrusão” como normalmente imaginamos.

Vale lembrar que, a maioria dos sensores de presença e movimento não conseguirão detectar animais de pequeno porte e nem mesmo o vento e a chuva.

De fato, todos estes sensores de sistemas de alarme convencional, já deveriam estar sendo tratados como dispositivos IoT.

Devido a grande quantidade de alarmes residenciais já instalados, percebemos que existe um grande mercado para Integradores IoT, que poderão partir de uma base já disponível, proporcionando um “retrofit” eficiente, eficaz e com custos vantajosos para os usuários.

Quando uma nova edificação for criada, ou até mesmo uma já existente for reformada, as possibilidades serão ainda maiores para os Integradores, já que sempre existirão fornecedores com tecnologias diversas, para os vários tipos de sensores e atuadores.

Em um próximo tópico, falarei um pouco mais sobre como iniciei um sistema de automação, baseado em sensores e atuadores operando com RF 433 MHz, fazendo também a integração com outros sensores e atuadores WiFi de temperatura e umidade.

Este post também pode ser visto em IoT OpenLabs Fórum


Artigos relacionados :

IoT – segurança e integridade dos dados

IoT – coletores para todos os perfis de uso


Sobre o Autor

Ricardo Jorge administrator

Deixe uma resposta