Categoria Redes Sociais

porRicardo Jorge

Que 2022 seja repleto de boas novidades

O ano de 2021 foi diferente e desafiador sob vários aspectos.

Mais uma vez foi preciso buscar muita criatividade, concentração e força para seguir em frente.

Os desafios trazidos pela pandemia continuaram ainda mais intensos do que no ano anterior.

Foi necessário seguir com as novas formas de trabalho, interação social, familiar, recreação, compras, alimentação e, tudo o mais que faz parte desta nova realidade a qual fomos submetidos.

E desta maneira, muito do que estávamos acostumados a fazer até 2019, precisou ser revisto e repensado.

Cada vez mais precisamos olhar para os problemas como oportunidades e pontos de partida para a inovação e a evolução.

Reserve alguns momentos e olhe para simbologia que a imagem desta postagem trás.

Que tal imaginar um convite para construir um 2022 melhor para todos?

Aproveito também para agradecer a todos que contribuíram para minha jornada através de 2021.

Desejo que o ano de 2022 seja repleto de harmonia, solidariedade, saúde e prosperidade para todos.

Um feliz, próspero e saudável 2022!


“Biscoitos da sorte” para o Ano Novo

Comemore os finais, pois eles precedem um novo começo.

Otimismo excessivo não significa inspiração! Cuidado ao criar sua lista de decisões e desejos para o Ano Novo e logo no primeiro dia já desejar marcar tudo como concluído.

Um otimista fica acordado até a meia-noite para ver o Ano Novo chegar. Um pessimista fica acordado para garantir que o ano anterior vá embora.

Você pode encontrar inspiração por toda parte. Caso não consiga achá-la, é porque não procurou com afinco.

Suas circunstâncias atuais não definem até onde você pode ir. Elas simplesmente determinam o ponto de partida.

Embora ninguém possa voltar e fazer um novo começo, qualquer um pode começar a partir de agora e criar um novo final.


Outra publicações:

Os caminhos para Transformação Digital

Você quer ser alguém ou ninguém?

COVID-19 Dados Reflexões e Estatísticas


Image by Tumisu from Pixabay

Pensamentos para um Novo Ano.

porRicardo Jorge

O que você precisa saber sobre NFT

Neste artigo sobre O que você precisa saber sobre NFT, será abordado um tema que pode contribuir e até mesmo modificar a relação de pertences virtuais na Internet, ou até mesmo usado para fomentar uma iniciativa de uma Startup, gerando fundos para os desenvolvedores.

É interessante ler, Será que devo me preocupar com o metaverso? já que o assunto NFT foi comentado neste outro artigo, por existir uma certa relação entre Metaverso e NFT.

Tokens não fungíveis, ou NFTs tem gerado grande interesse nestes últimos meses de 2021.

De arte e música a tacos e papel higiênico, esses ativos digitais estão sendo vendidos como as exóticas tulipas holandesas do século 17 – algumas por milhões de dólares.

Mas os NFTs valem o dinheiro – ou o exagero?

Alguns especialistas dizem que eles são uma bolha prestes a estourar, como a mania Pontocom ou artigos colecionáveis que podem ter grande demanda em um momento e depois deixam de ser atrativos para muitas pessoas.

Outros acreditam que os NFTs vieram para ficar e que mudarão os investimentos para sempre.

O que é NFT

Um NFT é um ativo digital que representa objetos do mundo real, como arte, música, ou itens associados a jogos e vídeos.

Eles são comprados e vendidos online, frequentemente com criptomoeda, e geralmente são codificados com o mesmo software subjacente de muitos criptomoedas.

Embora existam desde 2014, os NFTs estão ganhando notoriedade agora porque estão se tornando uma forma cada vez mais popular de comprar e vender obras de arte digitais.

A incrível quantia de US $ 174 milhões foi gasta em NFTs desde novembro de 2017.

Os NFTs também são geralmente únicos, ou são poucos exemplares de uma edição muito limitada, e têm códigos de identificação exclusivos. “Essencialmente, os NFTs criam escassez digital”, diz Arry Yu, presidente do Conselho de Blockchain da Associação da Indústria de Tecnologia de Washington e diretora administrativa da Yellow Umbrella Ventures.

Isso contrasta fortemente com a maioria das criações digitais, que quase sempre são infinitas em oferta.

Hipoteticamente, diminuindo a oferta deve aumentar o valor de um determinado ativo, supondo que este ativo tenha demanda.

Mas muitos NFTs, pelo menos nestes primeiros dias, foram criações digitais que já existem de alguma forma em outros lugares, como clipes de vídeo icônicos de jogos da NBA ou versões securitizadas de arte digital que já está circulando no Instagram.

Por exemplo, o famoso artista digital Mike Winklemann, mais conhecido como “Beeple” elaborou uma composição de 5.000 desenhos diários para criar talvez o NFT mais famoso do momento, “EVERYDAYS: The First 5000 Days“, que foi vendido na Christie’s por um valor recorde de US $ 69,3 milhões.

Qualquer pessoa pode visualizar as imagens individuais – ou até mesmo todo o conjunto de imagens de forma online e gratuita.

Então, por que as pessoas estão dispostas a gastar milhões em algo que pode facilmente ser copiado através de uma capturada de tela ou mesmo através de um download?

É porque um NFT permite que o comprador possua o item original.

Não só isso, ele contém autenticação embutida, que serve como prova de propriedade.

Os colecionadores valorizam esses “direitos de se gabar digitalmente” quase mais do que o próprio item.

Qual é a diferença entre um NFT e uma criptomoeda?

NFT significa token não fungível.

Geralmente é construído usando o mesmo tipo de programação da criptomoeda, como Bitcoin ou Ethereum, mas é aí que termina a semelhança.

Dinheiro físico e criptomoedas são “fungíveis”, o que significa que podem ser negociados ou trocados entre si.

Eles também são iguais em valor – um dólar sempre vale outro dólar; um Bitcoin é sempre igual a outro Bitcoin.

A fungibilidade da criptografia a torna um meio confiável de conduzir transações no blockchain.

NFTs são diferentes.

Cada um tem uma assinatura digital que torna impossível que os NFTs sejam trocados por algo similar, ou que exista outro NFT igual (portanto, não fungíveis).

Um clipe NBA Top Shot, por exemplo, não é igual a EVERYDAYS simplesmente porque ambos são NFTs.

Assim como um clipe NBA Top Shot não é necessariamente igual a outro clipe NBA Top Shot.

Como funciona um NFT?

Os NFTs existem em um blockchain, que é um sistema público distribuído que registra as transações.

Você provavelmente está mais familiarizado com o blockchain como o processo subjacente que torna as criptomoedas possíveis.

De forma geral, os NFTs são normalmente mantidos no blockchain Ethereum, embora outros blockchains os suportem também.

Um NFT é criado ou “cunhado” a partir de objetos digitais que representam itens tangíveis e intangíveis, incluindo:

  • Arte
  • Gifs
  • Vídeos e destaques esportivos
  • Colecionáveis
  • Avatares virtuais e skins de videogame
  • Tênis de grife
  • Música

Até mesmo os tweets contam.

O co-fundador do Twitter, Jack Dorsey, vendeu seu primeiro tweet como um NFT por mais de US $ 2,9 milhões.

Essencialmente, os NFTs são como itens de colecionador físicos, mas apenas digitais.

Portanto, em vez de colocar uma pintura a óleo real na parede, o comprador obtém um arquivo digital.

Eles também têm direitos de propriedade exclusivos.

Isso mesmo: os NFTs podem ter apenas um proprietário de cada vez.

Os dados exclusivos dos NFTs facilitam a verificação de sua propriedade e a transferência de tokens entre proprietários.

O proprietário ou criador também pode armazenar informações específicas dentro deles.

Por exemplo, os artistas podem assinar sua arte, incluindo sua assinatura nos metadados de um NFT.

Para que são usados ​​os NFTs?

A tecnologia Blockchain e NFTs oferecem aos artistas e criadores de conteúdo uma oportunidade única de monetizar seus produtos.

Por exemplo, os artistas não precisam mais depender de galerias ou casas de leilão para vender sua arte.

Em vez disso, o artista pode vendê-lo diretamente ao consumidor como um NFT, o que também permite que eles fiquem com uma parte maior dos lucros.

Além disso, os artistas podem programar royalties para que recebam uma porcentagem das vendas sempre que sua arte for vendida a um novo proprietário.

Esta é uma característica atraente, pois os artistas geralmente não recebem lucros futuros após a primeira venda de sua arte.

A arte não é a única maneira de ganhar dinheiro com NFTs.

Marcas como Charmin e Taco Bell leiloaram arte temática NFT para arrecadar fundos para instituições de caridade.

Charmin apelidou sua oferta de “NFTP” (papel higiênico não fungível), e a arte NFT de Taco Bell se esgotou em minutos, com os lances mais altos chegando a 1,5 éter embrulhado (WETH) – equivalente a $ 3.723,83 no momento da redação.

Nyan Cat, um GIF de 2011 de um gato com um corpo “quadrado”, foi vendido por quase US $ 600.000 em fevereiro.

E o NBA Top Shot gerou mais de US $ 500 milhões em vendas no final de março.

Um único lance em destaque de LeBron James NFT arrecadou mais de $ 200.000.

Até mesmo celebridades como Snoop Dogg e Lindsay Lohan estão entrando na onda do NFT, lançando memórias, obras de arte e momentos únicos como NFTs securitizados.

Como comprar NFTs

Se você deseja iniciar sua própria coleção NFT, precisará adquirir alguns itens importantes.

Primeiro, você precisará obter uma carteira digital que permite armazenar NFTs e criptomoedas.

Você provavelmente precisará comprar algumas criptomoedas, como Ether, dependendo de quais moedas seu provedor de NFT aceita.

Você pode comprar cripto moeda usando um cartão de crédito em plataformas como Coinbase, Kraken, eToro e até mesmo PayPal e Robinhood agora.

Você poderá então movê-lo da corretora para a carteira de sua escolha.

Lembre de pesquisar sobre as taxas cobradas para definir qual a melhor opção.

A maioria das corretoras cobra pelo menos uma porcentagem de sua transação quando você compra criptomoeda.

Mercados NFT populares

Depois de montar sua carteira, não faltam sites NFT para fazer compras.

Atualmente, os maiores mercados NFT são:

  • OpenSea.io: esta plataforma ponto a ponto se autointitula como fornecedora de “itens digitais raros e colecionáveis”. Para começar, tudo o que você precisa fazer é criar uma conta para navegar pelas coleções NFT. Você também pode classificar as peças por volume de vendas para descobrir novos artistas.
  • Rarible: semelhante ao OpenSea, o Rarible é um mercado democrático e aberto que permite a artistas e criadores emitir e vender NFTs. Os tokens RARI emitidos na plataforma permitem que os titulares avaliem recursos como taxas e regras da comunidade.
  • Foundation: aqui, os artistas devem receber “votos positivos” ou um convite de outros criadores para postar sua arte. A exclusividade da comunidade e o custo de entrada – os artistas também devem cobrir o custo de manutenção e transferência para para “cunhar” NFTs – significa que ela pode ostentar obras de arte de alto calibre. Por exemplo, o criador do Nyan Cat, Chris Torres, vendeu o NFT na plataforma Foundation. Também pode significar preços mais altos – não necessariamente uma coisa ruim para artistas e colecionadores que buscam capitalizar, supondo que a demanda por NFTs permaneça nos níveis atuais, ou mesmo aumente com o tempo.

Embora essas plataformas e outras hospedem milhares de criadores e colecionadores de NFT, faça uma pesquisa cuidadosa antes de comprar.

Alguns artistas foram vítimas de imitadores que listaram e venderam seus trabalhos sem sua permissão.

Além disso, os processos de verificação para criadores e listagens NFT não são consistentes em todas as plataformas – alguns são mais rigorosos do que outros.

OpenSea e Rarible, por exemplo, não exigem verificação do proprietário para listagens NFT.

As proteções do comprador parecem ser escassas, na melhor das hipóteses, portanto, ao comprar NFTs, pode ser melhor manter o velho ditado em mente “caveat emptor” (cuidado comprador, ou “o risco é do comprador”).

Você deve comprar NFTs?

Só porque você pode comprar NFTs, isso não significa que você deva comprar.

Tudo depende, diz Yu.

“Os NFTs são arriscados porque seu futuro é incerto e ainda não temos muita história para julgar seu desempenho”, observa ela. “Como os NFTs são tão novos, pode valer a pena investir pequenas quantias para experimentá-los por enquanto.”

Em outras palavras, investir em NFTs é uma decisão amplamente pessoal.

Caso você possa investir, talvez seja interessante faze-lo, especialmente se uma peça for importante para você.

Mas tenha em mente que o valor de um NFT é baseado inteiramente no que outra pessoa está disposta a pagar por ele.

Portanto, a demanda impulsionará o preço, em vez de indicadores fundamentais, técnicos ou econômicos, que normalmente influenciam os preços das ações e, pelo menos, geralmente formam a base para a demanda dos investidores.

Tudo isso significa que um NFT pode ser revendido por menos do que você pagou por ele.

Ou você pode não conseguir revendê-lo se ninguém quiser.

Os NFTs também estão sujeitos a impostos sobre ganhos de capital – assim como quando você vende ações com lucro.

Uma vez que são considerados colecionáveis, no entanto, eles podem não receber as taxas preferenciais de ganhos de capital de longo prazo que as ações recebem e podem até mesmo ser tributados a uma taxa de impostos colecionáveis ​​mais alta, embora o IRS (serviço de receita do Governo Federal dos Estados Unidos) ainda não tenha decidido quais NFTs são considerados para fins fiscais.

Lembre-se de que as cripto moedas usadas para comprar o NFT também podem ser tributadas se tiverem aumentado de valor desde que você as comprou, o que significa que você pode consultar um contador ao considerar adicionar NFTs ao seu portfólio.

Sabendo isso, trate os NFTs como faria com qualquer investimento: faça sua pesquisa, entenda os riscos – incluindo o risco de perder todo seu investimento – e se decidir arriscar, prossiga com uma boa dose de cautela.


Artigos relacionados:

Será que devo me preocupar com o metaverso?

Outros artigos no Blog:

História do Controlador Lógico Programável

Indústria 4.0 aplicada na pequena indústria


Este artigo é uma versão. O original pode ser visto aqui


Image by Sergei Tokmakov Terms.Law from Pixabay
porRicardo Jorge

Será que devo me preocupar com o metaverso?

Neste artigo sobre Será que devo me preocupar com o metaverso?, será abordado um tema que tem ganho muita visibilidade nestes últimos meses.

É importante deixar claro que metaverso, ou do inglês metaverse, deve ser encarado como:

  • Parte definição
  • Parte aspiração
  • E parte exagero.

Então, vamos começar a entender, ou melhor, avaliar o que seja metaverso.

Pode ser que você talvez tenha lido que o metaverso substituirá a Internet.

Ou ainda que talvez todos devamos morar lá.

Pode ser também que o Facebook (ou Epic, ou Roblox, ou dezenas de empresas menores) estejam tentando assumir o controle.

Ou então que tenha algo a ver com NFTs?

Explicar o que seja metaverso é difícil devido a uma razão: ele necessariamente não existe.

Em parte, é um sonho para o futuro da Internet e em parte uma maneira elegante de encapsular algumas tendências atuais em infraestrutura online, incluindo o crescimento de mundos 3D em tempo real.

Mesmo assim, vamos para a parte divertida.

Imagine por um momento os seguintes cenários:

  • Será que você começará a verificar seu feed do Facebook no Fortnite com um par de óculos de realidade aumentada?
  • Ou que seus amigos irão convidá-lo para um café da manhã cibernético em vez do café da manhã normal?

É hora de se conectar e descobrir.

Como o termo metaverso surgiu?

Neal Stephenson cunhou o termo “metaverso” em seu romance de 1992, Snow Crash, onde se referia a um mundo virtual 3D habitado por avatares de pessoas reais.

Muitas outras mídias de ficção científica incluem sistemas do tipo metaverso (alguns deles anteriores a Snow Crash).

Mas o livro de Stephenson continua sendo um dos pontos de referência mais comuns para entusiastas do metaverso, junto com o romance Ready Player One de 2011 de Ernest Cline.

O metaverso de Snow Crash é conseqüência de uma visão satírica de Stephenson de um futuro onde a América é dominada por corporações.

Já o mundo virtual do Ready Player One é simbolicamente chamado de OASIS, e Cline retrata-o como uma fonte quase utópica de escapismo em um futuro horrível.

Se, por um lado, emular os mundos virtuais de Snow Crash ou Ready Player One é deliberadamente menos assustador do que nomear esta iniciativa de tecnologia “Skynet”.

Por outro, as histórias de ficção científica podem evocar uma imagem vívida do “metaverso” sem definir como ele deveria funcionar ou por que deveria existir.

Então o que realmente é o metaverso?

Não existe uma definição universalmente aceita de um “metaverso” real, exceto talvez que seja um sucessor mais sofisticado da internet.

Os proponentes do metaverso do Vale do Silício às vezes fazem referência a uma descrição do capitalista de risco Matthew Ball ( em seu artigo Metaverse Primer ) onde ele afirma:

“O Metaverso é uma rede expansiva de mundos 3D renderizados em tempo real e persistentes e simulações que suportam a continuidade de identidade, objetos, história, pagamentos e direitos e podem ser experimentados de forma síncrona por um número efetivamente ilimitado de usuários, cada um com sua sensação pessoal de presença.”

Por outro lado o Facebook, que atualmente é a empresa de tecnologia com a maior participação no metaverso, descreve-o de forma mais simples:

“O metaverso’ é um conjunto de espaços virtuais onde você pode criar e explorar com outras pessoas que não estão no mesmo espaço físico que você.”

Existem também outras definições mais amplas relacionadas ao metaverso, como a do designer de jogos Raph Koster, que faz uma distinção entre “mundos online”, “multiversos” e “metaversos”.

Para Koster, os mundos online são espaços digitais – desde ambientes ricos em 3D até aqueles baseados em texto – focados em um tema principal.

Multiversos são “vários mundos diferentes conectados em uma rede, que não têm um tema ou conjunto de regras compartilhado”, incluindo o OASIS do Ready Player One.

E um metaverso é “um multiverso que interopera mais com o mundo real”, incorporando coisas como sobreposições de realidade aumentada, provadores de roupa com Realidade Virtual para lojas reais e até mesmo aplicativos como o Google Maps

Será que algum dia todos nós viveremos no metaverso?

Atualmente, pessoas ligadas a indústria de tecnologia que falam sobre “o metaverso” geralmente estão entusiasmadas com as plataformas digitais que incluem algumas das seguintes coisas:

  • Conjuntos de recursos que se sobrepõem a serviços da web mais antigos ou atividades do mundo real
  • Computação gráfica 3D em tempo real e avatares personalizados
  • Uma variedade de interações sociais “pessoa a pessoa” com objetivos menos competitivos e jogos orientados para estratégia.
  • Suporte para usuários criando seus próprios itens e ambientes virtuais
  • Links com sistemas econômicos externos para que as pessoas possam lucrar com bens virtuais
  • Desenvolvimento e integração com dispositivos de realidade virtual e realidade aumentada

Nota: As distinções entre VR ( Realidade Virtual ) e AR ( Realidade Aumentada ) se resumem aos dispositivos que são utilizados e à própria experiência: AR usa uma configuração do mundo real, enquanto a VR é totalmente virtual.

VR requer um dispositivo normalmente instalado em sua cabeça, enquanto AR pode ser acessado com um smartphone.

A Realidade Aumentada aprimora o mundo virtual e real, enquanto a Realidade Virtual apenas aprimora a realidade ficcional.

Mas no contexto atual, “o metaverso” sem dúvida não é um conjunto fixo de atributos.

É um termo ambicioso para um mundo digital do futuro que parece mais tangivelmente conectado com nossas vidas e corpos reais.

O Fortinite ou Facebook Horizon são o metaverso, ou o metaverso é a soma de tudo isso?

Pessoas como Tim Sweeney (CEO da editora Fortnite Epic) e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, costumam dizer que estão apenas construindo uma parte de um metaverso interconectado maior, semelhante a uma rede social individual na internet atual.

“O metaverso não é um produto único que uma empresa pode construir sozinha. Assim como a internet, o metaverso existe, esteja o Facebook lá ou não ”, diz um comunicado recente do Facebook.

Mas, informalmente, “metaverso” também é usado para descrever uma única plataforma que atende aos critérios listados acima.

Second Life, um mundo virtual que não é um jogo tradicional, é frequentemente descrito como um metaverso.

Sweeney descreveu a experiência do usuário de Fortnite como um metaverso porque é um espaço 3D virtual que mistura elementos de jogo e não de jogo.

David Baszucki, CEO da Roblox, observa modestamente que “algumas pessoas se referem ao que estamos construindo como o Metaverso”.

Se você gosta da definição de “multiverso” de Koster, também existem vários multiversos autônomos.

O Minecraft da Microsoft tem menos atenção atualmente do que o Roblox, mas permite atividades semelhantes por meio de modificações de características do jogo.

O mesmo acontece com serviços para dispositivos móveis, como o The Sandbox, que também incorpora uma economia complexa baseada em criptomoedas.

Qual a relação do metaverso com NFTs?

Mais detalhes sobre a definição de NFT podem ser vistos neste outro artigo.

De uma maneira simples, NFTs são uma forma de registrar quem possui um bem virtual específico, criar e transferir bens virtuais é uma grande parte do metaverso, portanto, NFTs são uma arquitetura financeira potencialmente útil para o metaverso.

Ou em termos mais práticos: se você comprar uma camisa virtual na plataforma A do metaverso, os NFTs podem criar um recibo permanente e permitir que você resgate a mesma camisa nas plataformas B a Z do metaverso.

Muitos designers de NFT estão vendendo avatares colecionáveis ​​como CryptoPunks, Cool Cats e Bored Apes, às vezes por quantias astronômicas.

No momento, essas são principalmente arte 2D usada como fotos de perfil de mídia social.

Mas já estamos vendo algum cruzamento com serviços do estilo “metaverso”.

A empresa Polygonal Mind, por exemplo, está construindo um sistema chamado CryptoAvatars, que permite às pessoas comprarem avatares 3D como NFTs e usá-los em vários mundos virtuais.


E você ? Qual sua opinião sobre o metaverso?

Será que substituirá a Internet como a conhecemos, ou será apenas mais um serviço da própria Internet atual?

Deixe seus comentários aqui no Blog.


Artigo relacionado:

O que você precisa saber sobre NFT

Veja outros artigos do Blog.

Indústria 4.0 aplicada na pequena indústria

STEM e a importância para sua carreira


Este artigo é uma versão deste link.


Image by Gerd Altmann from Pixabay